22/07/12

Filled Under:

Som alto é crime!



O sofrimento de muitas pessoas é grande em toda parte do país, mais acentuadamente em regiões extremamente barulhentas como a cidade de Cuiabá capital do mato grosso. Bares, festas, som de carro, gritarias, motocicletas com escape manipulado, tiram o sossego de quem quer viver em paz. Sem falar dos conflitos sociais gerados pelo excesso de barulho, sabe-se hoje que a poluição sonora prejudica a saúde. Isso é fato comprovado pela OMS (Organização Mundial da Saúde) e na verdade já reconhecido há muito tempo pela legislação brasileira. Mas o que fazer quando um vizinho lhe incomoda com o som alto dele? Esse é um problema que afeta hoje muita gente. Basta buscar na internet informações sobre poluição sonora para perceber que esse assunto abrange todas as regiões do país. E o assunto é complexo, pois a desinformação da população é grande. A maioria dos barulhentos acredita, por exemplo, que pode ouvir música na altura desejada, contanto que seja antes das dez horas da noite, o que não é verdade. A proibição da perturbação do sossego alheio vale a qualquer hora, tanto faz se durante o dia ou à noite.


Muitas leis, pouca eficácia


A maior parte das cidades brasileiras possue legislação municipal que trata da poluição sonora. O problema dessas “leis do silêncio” é que elas muitas vezes não regulamentam claramente a questão da competência. Para a aplicação de uma lei municipal, é necessário que o município crie um órgão responsável ou atribua tal competência a um órgão existente, o que é feito muitas vezes sem a devida clareza. Quando o cidadão quer denunciar algum abuso relativo à poluição sonora, ele muitas vezes não sabe exatamente a quem se dirigir. E quando ele procura algum órgão, presencia um verdadeiro jogo de empurra. Tomo como exemplo o município de Cuiabá, no mato grosso, que possui uma legislação severa nessa área: a lei prevê multa de 300 a 50 mil Reais contra os infratores. Mas quando um cidadão busca ajuda dos órgãos públicos, nenhum deles se sente realmente responsável. O órgão oficialmente responsável, a ASNAF, normalmente encaminha o cidadão para a polícia militar, que, por sua vez, recomenda que se procure a delegacia mais próxima. A delegacia diz que ele deve procurar a defesa civil, que, quando se consegue falar com ela, normalmente manda procurar um dos órgãos anteriores. A ouvidoria municipal, que também deveria agir contra a poluição sonora, recebe as denúncias, mas nada acontece. O mesmo vale para o Disque Denúncia do município. No final das contas, o cidadão fica sofrendo com um barulho infernal sem que nada seja feito. E esse jogo de empurra ocorre em todas as partes, não somente em Cuiaba.

Não são necessárias leis municipais


Existem diversas leis federais que permitiriam acabar com o abuso sonoro, mas infelizmente falta perceber um interesse real das autoridades competentes em aplicá-las. Na verdade, as leis municipais não são necessárias, pois a legislação federal é clara e suficiente:
Decreto-Lei 3688/41, Lei das Contravenções Penais — LCP:
Perturbação do trabalho ou do sossego alheios
Art. 42 – Perturbar alguém, o trabalho ou o sossego alheios:
I – com gritaria ou algazarra;
II – exercendo profissão incômoda ou ruidosa, em desacordo com as prescrições legais;
III – abusando de instrumentos sonoros ou sinais acústicos;
IV – provocando ou não procurando impedir barulho produzido por animal de que tem guarda:
Pena – prisão simples, de 15 (quinze) dias a 3 (três) meses, ou multa.
Ou seja, um decreto-lei de 1941 proíbe claramente o uso abusivo de som, prevendo como pena a prisão simples de quinze dias a três meses ou multa. Portanto, é incompreensível que o cidadão não seja amparado pela polícia quando é incomodado por algum vizinho. Diante disso, seria obrigação de todas as delegacias de polícia receber queixas e punir devidamente os infratores, mas raramente isso acontece, seja por desinformação ou descaso dos policiais responsáveis. Se existe uma lei federal, não há motivo para a polícia civil “empurrar” o problema para órgãos municipais. E, independente da queixa que pode ser dada na delegacia, deveria haver um maior engajamento da polícia militar, já que é o seu papel estar ao lado do cidadão no momento que o abuso acontece. Não é correto a PM negar tal apoio, seja lá por qual motivo. Se há lei federal que proíbe o abuso sonoro, é obrigação da polícia inibir tal abuso e punir os barulhentos. Como nenhum cidadão pode alegar que desconhece a lei, isso tem que valer igualmente para policiais. Se não sabem que há uma lei tão antiga que proíbe a perturbação do sossego alheio, que se informem devidamente.

Som alto provoca danos à saúde humana e à natureza


Outra lei federal: Lei 9605/98, Lei de Crimes Ambientais – LCA:
Art. 54. Causar poluição de qualquer natureza em níveis tais que resultem ou possam resultar em danos à saúde humana, ou que provoquem a mortandade de animais ou a destruição significativa da flora:
Pena – reclusão, de um a quatro anos, e multa.
Se o crime é culposo:
Pena – detenção, de seis meses a um ano, e multa.
Mesmo se não existisse o decreto-lei acima citado, essa outra lei bastaria para punir os infratores. Carros com a mala aberta, na beira de um rio, numa floresta ou na praia afetam a fauna e a flora. O som se propaga através de vibrações moleculares, o que perturba animais e plantas. Além disso, podem acarretar em seres humanos várias doenças como estresse, distúrbios neurológicos e cardíacos, insônia e dor de cabeça, além de deficiência auditiva e (!) impotência sexual.
O texto do artigo 54 da Lei de Crimes Ambientais também seria mais do que suficiente para punir os barulhentos. Mas isso ainda não é tudo:
O Art. 9 do decreto federal 6514 de 22/7/2008 prevê multa que vai de R$ 50,00 (cinqüenta reais) a R$ 50.000.000,00 (cinqüenta milhões de reais), além da apreensão dos objetos, veículos e ferramentas utilizados para o crime contra o meio ambiente. No caso do uso do som abusivo, podem ser apreendidos, portanto, tanto o som como o veículo do cidadão barulhento, ou seja, as armas do crime.
Som em carro parado ou no trânsito com volume acima do permitido pode resultar em 5 pontos na CNH e uma multa de R$ 127,69. O artigo 228 do CTB – código de trânsito brasileiro prevê ainda a apreensão do veículo.
Como vemos, a legislação federal proíbe claramente a poluição sonora e dá à polícia e ao Ministério Público poder suficiente para combater o som abusivo. Só é difícil compreender porque que as sanções não são praticadas, porque há tanta gente reclamando da passividade e inatividade da polícia, porque que há delegacias de polícia que até mesmo se negam a aceitar queixas contra pessoas barulhentas.
Corrupção nos órgãos de fiscalização

Infelizmente pode-se constatar em muitos casos que a causa da omissão dos órgãos de fiscalização é a corrupção praticada por seus funcionários. Uma situação conhecida na região metropolitana de Cuiaba: um cidadão liga para o órgão responsável e é atendido por um funcionário que o trata atenciosamente, escuta a sua denúncia sobre, por exemplo, um bar ao lado de sua casa, que toca pagode todos os dias até altas horas, promete agir, mas nada acontece. O cidadão volta a ligar, reclama, o funcionário volta a fazer promessas, envia a fiscalização, mas sempre que essa chega ao bar, não há som alto, não há flagrante, nada acontecesse. E essa história se repete. O interessante aqui é que o funcionário que atende o cidadão no telefone nunca lhe dá o número do protocolo da denúncia, já que ele sempre só faz de conta que registra a denúncia. Quando o cidadão se altera, fazendo uma pressão maior, ele envia de fato uma viatura da fiscalização, mas, ao mesmo tempo, avisa os donos dos bares, que baixam então o som antes da chegada da fiscalização. É claro que esse serviço de aviso não é gratuito.
Essa é uma situação difícil para o cidadão, já que para ele fica impossível reagir contra o abuso sonoro do vizinho e mais difícil ainda agir contra a corrupção praticada pela fiscalização, já que muitas vezes há policiais envolvidos na história. O medo de represália é muito grande e o cidadão, vítima da poluição sonora, prefere calar-se.

Desinformação da polícia


Outro problema é a má formação de policiais, que acham que não podem agir contra barulhentos. Soube de um caso de um policial que se negou a agir por não possuir aparelho de medição de decibéis, sendo que o abuso de instrumentos sonoros, capaz de perturbar o trabalho ou o sossego alheios, tipifica a contravenção do art. 42, III, do Decreto-Lei nº 3688/41, sendo irrelevante, para tanto, a ausência de prova técnica para aferição da quantidade de decibéis.
Apesar das leis claras, alguns policiais, desinformados, não sabem como agir, deixando a população sozinha com o problema. Mas, como já dito acima, o desconhecimento das leis não pode ser argumento para a polícia não agir, já que nenhum cidadão, muito menos se for policial, pode alegar não conhecer a legislação.
A polícia deve atuar coercitivamente, promovendo a tranqüilidade social, a paz coletiva, e atender à ocorrência de perturbação do sossego, seja lá quem seja o solicitante. O cidadão tem o direito de viver sem perturbações, e a força do Estado é o poder de polícia. Quando um policial se omite, deixa de cumprir sua tarefa e comete ele mesmo crime de prevaricação ou até mesmo de crime omissivo impróprio, respondendo pelas lesões causadas pelos ruídos.

Bares, eventos e festas


Muitas vezes somos incomodados por festas, eventos ou pelo funcionamento de bares e casas noturnas. Quando reclamamos, ouvimos a alegação de que “o barulho foi autorizado”. Mas não importa se a prefeitura concedeu ou não alvará para a prática de algum evento ou funcionamento de algum bar ou casa noturna. O que ocorre aqui é, segundo a legislação federal, um crime. Cabe aos proprietários de seus bares e de suas casas noturnas impedir a saída do som para a parte externa de seus estabelecimentos. Pouco importa também a existência de prova técnica que ateste a quantidade de decibéis. A polícia tem que agir. E tem mais: o cidadão que denuncia o crime não é obrigado a acompanhar a polícia até a delegacia. O cidadão que informa o Estado sobre uma infração penal não cometeu nenhum ato ilícito que lhe obrigue a isso. É suficiente que a polícia anote seus dados para fins de relatório e investigação.

Resumindo


Som alto é crime e crime tem que ser punido. Essa é uma obrigação do Estado e ele é, nesses casos, representado pela polícia. A penalidade para a perturbação do sossego alheio é a prisão por período de 15 dias a 3 meses, ou multa e, se a emissão do som atingir níveis que resultem ou possam resultar em danos à saúde humana (Decreto 6.514 de 22 de Julho de 2008), haverá um caso de Poluição Sonora e para este crime as multas variam de R$ 5 mil a R$ 50 mil.
Portanto, cidadão, reaja, não aceite o abuso sonoro por parte de vizinhos e não aceite a omissão da polícia, o que também é crime. Procure a polícia (militar e/ou civil) e exija os seus direitos garantidos por lei.

A polícia não reage. O que fazer?


Procure uma delegacia e dê queixa contra os infratores, justificando do seguinte modo:
- Decreto-Lei 3688/41, Lei das Contravenções Penais — LCP, artigo 42
- Lei 9605/98, Lei de Crimes Ambientais – LCA, artigo 54
- Decreto 6.514 de 22 de Julho de 2008
- No caso de veículo automotivo: Código Nacional de Trânsito, artigo 228
Apresente nome de testemunhas, se for o caso, o número da placa do veículo e todas as informações que possam ser úteis para comprovar o delito. Não é preciso comprovar o valor de decibéis. A lei é clara: o barulho do vizinho não pode lhe incomodar, muito menos prejudicar a sua saúde.
Se isso não adiantar, dirija-se ao Ministério Público, de preferência através de um advogado.
Caso entre em contato com algum órgão municipal de fiscalização, exija sempre o número de protocolo da denúncia feita. Caso o órgão não reaja, preste queixa contra esse órgão junto ao Ministério Público. Para tal, é necessário ter o número do protocolo, como prova da queixa prestada.
A altura do som ouvido não é questão de gosto, mas de preservação da saúde humana e do meio ambiente. Em outras palavras, quem produz barulho lhe machuca, cometendo, portanto, lesão corporal. Você aceitaria que o seu vizinho batesse em você diariamente? Claro que não! Portanto, não aceite que ele lhe “bata” com música alta ou outro tipo de barulho.




20 comentários:

  1. tem acontecido isso comigo,porem não posso procurar os Órgãos competente pois meu vizinho é envolvido e eu colocaria toda família em risco nossa casa é a 2 minutos do 7BPM/RJ sera que niquem ver isso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente existe algo mais envolvido...Dizem que é a maçonaria, pois a maior parte dos chefes na prefeitura onde trabalho como fiscal são maçons, bem como os donos de bares...Como nosso horário é até cinco da tarde, precisamos de permissão dos chefes (comissionados) para ir até ao local...Quando lá chegamos, parece que o som não está como a pessoa alega, por mais que vamos sorrateiramente...E há casos em que as multas que fazemos, nem sabemos se são cobradas, pois o processo desaparece...Coisas de Brasil...

      Excluir
  2. Sofro deste mal tambem em frente a minha residencia no Barro Vermelho aqui em São Gonçalo - RJ. Infelizmente contar com o 7 BPM aqui em São Gonçalo é o mesmo que nada porque sempre tem alguem que se diz amigo de alguem lá dentro e as leis não são cumpridas

    ResponderExcluir
  3. os órgãos competentes aqui em São Gonçalo - RJ são na realidade incompetentes pois a Polícia Civil até registra como perturbação do sossego e nada mais !! A Polícia Militar através do 7 BPM manda a viatura após ligar para o serviço 190 vem até o bar em frente a minha casa no Barro Vermelho e pede apenas para baixar o som que, mesmo fechando-se a mala dos veículos é algo surreal tremendo tudo dentro de casa !! Assim, que "autoridades" são estas? Serviço público da pior qualidade isso sim

    ResponderExcluir
  4. sou policial em cuiaba mt, realmente som alto incomoda mesmo... porem e rotina solicitação da policia para verificar ocorrência de pertubação ao sossego publico, o fato e que 100% dos solicitantes querem que a policia resolva, mas nao querem aparecer, nao querem acompanhar ate uma delegacia, por ser vizinho ou ate parente do infrator, assim sem vitima a policia nao tem como agir.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara amigo policial, não é necessário o vizinho (reclamante) ir até delegacia, pois trata-se de um crime cuja ação é pública incondicionada, isto é, não precisa de representação. Polícia tem que agir sim.

      Excluir
    2. Prezado colega, o vizinho (reclamante) não precisa acompanhar/ir até delegacia. A polícia tem que agir de ofício por ser um crime de ação penal pública incondicionada, isto é, não precisa de representação.

      Excluir
    3. Diz a lei que se trata de contravenção penal, prevista no Dec Lei 3688/41 (Lei das Contravenções Penais) no Art 42 inciso III: "Perturbar alguém o trabalho ou sossego alheios abusando de instrumentos sonoros ou sinais acústicos". Pena - prisão simples de 15 dias a três meses ou multa. ESSE EDNON PEREIRA TÁ POR FORA, A AÇÃO É CONDICIONADA SIM o próprio texto diz (Perturbar alguém) PRECISA DE REPRESENTAÇÃO DA VÍTIMA QUE NO CASO É ESSE ALGUÉM; A VÍTIMA NÃO PRECISA ACOMPANHAR DE IMEDIATO, MAS TEM QUE PROCURAR A DELEGACIA PARA FORMALIZAR A REPRESENTAÇÃO, PARA QUE OS INFRATORES SEJAM PUNIDOS. É certo que a proteção não é para suscetibilidades ou mesmo para intransigências. A perturbação do sossego deve ser amplamente comprovada, por gravação, testemunhas ou mesmo por medição técnica, precisa de Materialidade e autoria evidenciadas. No caso de poluição sonora precisa ser comprovado por laudos médicos que houve danos a saúde. " quase sempre não dá em nada para o infrator, não basta apenas a sua palavra que tá incomodando para punir os supostos infratores". Mas uma coisa é certa a representação também vai incomodar o infrator e ele vai pensar duas vezes antes de te incomodar.

      Excluir
  5. Estou com problema abrirão uma casa de show perto da minha casa não tenho paz liguei na policia falaram que não podia fazer nada porque a viatura que tinha estava em outra ocorrencia esta dificil.

    ResponderExcluir
  6. Sabe amigos ! se voce vai a delegacia,eles não fazem BO:se chama por 190,nem saem do carro,então, voce fica a MERÇE desses vandalos dispostos a rir e zombar da tua cara pois sabem que ninguem fara nada, mas digo,se matar,apontar arma de fogo,soltar uns pipocos,ai aparece ate a FEDERAL,NACIONAL,MUNICIPAL E TODO AL QUE TIVER NO PAÍS CONTRA VOCE, E ONDE ESTÃO SEUS DIREITOS ?

    ResponderExcluir
  7. Poluição-Tortura-Terrorismo Sonoro: TOLERÂNCIA ZERO!!!
    Povo civilizado não usa carros de som torturando e aterrorizando a população.
    Essa barbárie tem acabar!

    ResponderExcluir
  8. Tô sofrendo aqui em brasília. O meu vizinho da parte dos fundos não trabalha, nem estuda só que ficar na curtição, e quando o avô dele viaja, vira um inferno, o som esses dias foi até as 05:00h da manhã. As leis parecerem que foi feita só para o cidadão de bem, pois, é o único que respeita as leis.

    ResponderExcluir
  9. aqui onde moro acontece quase todos os fim de semana festas com som alto acho isso um absurdo ninguem consegui dormir minha mae é uma senhora de idade que toma remedios precisa de sossego e nao conseguim descansar isso é uma vergonha e nao adianta chamar a policia pois nao fazem nada sao conivente nosso país é uma vergonha nem uma lei funciona etemos que nos sujeitar a essa falta de respeito.

    ResponderExcluir
  10. os incomodados que se mudem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vc ta certo amigo anônimo, mas é exatamente essa certeza que determina que vivemos num pas de pessoas sem educação, berço, ou respeito pelo próximo. Então a questão é que é um erro vc estar certo.

      Excluir
  11. gente sou de fortaleza perto da minha casa abriu um bar a quase 4 meses quase toda noite ele abre o estabelecimento e liga o som alto e os criente dele liga o som dos carros eu chego a ligar para o 190 14 vezes durante toda a noite a resposta que eu tenho e estou gerando ocorrecia aguarde a viatura o que acontece e que nunca vem ele desliga o som de 5 pra 6 da manha e sempre assim durante os quase 4 meses que eu peço socorro a policia do estado do ceara e não tenho resposta isso e uma vergonha.

    ResponderExcluir
  12. Gente vocês não fazem ideia de como o meu vizinho me incomoda com o som dele eu não consigo ver televisão muitas das vezes eu tenho que sai de casa dormir na casa da minha sogra para ter paz o pior de tudo que eu tenho um bebe de 1ano e 11mesês e ele é eapecial ja falei pedi na educação mas o. Mesmo fala na minha cara que esta dentro da casa dele e não abaixa e aumenta mas ainda não aguento mas meu filho passa mal porisso . Sou do rio de janeiro se alguem poder me ajudar meu imail e fernando.oliveira-rj@hotmail.com .

    ResponderExcluir
  13. Denúncia contra o restaurante o “pratos e talheres” situado na Rua Doutor Alfredo Backer, 536 - Alcântara, São Gonçalo - RJ, 24452-005, contatos: 21 3477-2789 / 2702-5960 / 2614-4683.

    1 - O restaurante “pratos e talheres” que realiza propaganda com caixa de som durante todo o dia, tirando a paz dos moradores do condomínio Alcântara 1.

    2 - O restaurante “pratos e talheres” que promove um forro toda segunda-feira das 22h às 4h da madrugada.

    3 - O restaurante “pratos e talheres” mantêm um caminhão de som durante boa parte do dia e toda a madrugada parado na rua em frente ao restaurante, além de permitir que alguns clientes também utilizem a rua como estacionamento, provavelmente já possuem um acordo com a guarda municipal para não aplicar multas nos veículos.



    Denuncio as barracas de cachorro-quente conhecidas como “fome zero” e “altas horas”, na rua em frente a caixa econômica federal situada na Rua Doutor Alfredo Backer, 536 Loja B - Alcântara, São Gonçalo - RJ, 24452-005, que funcionam clandestinamente durante toda a madrugada, das 20h às 6h da manhã, e diariamente recebem como clientes alguns indivíduos que promovem verdadeiros bailes funks na rua, com carros de som tocando funk em com volume extremamente alto.

    ResponderExcluir
  14. Denúncia contra o restaurante o “pratos e talheres” situado na Rua Doutor Alfredo Backer, 536 - Alcântara, São Gonçalo - RJ, 24452-005, contatos: 21 3477-2789 / 2702-5960 / 2614-4683.

    1 - O restaurante “pratos e talheres” que realiza propaganda com caixa de som durante todo o dia, tirando a paz dos moradores do condomínio Alcântara 1.

    2 - O restaurante “pratos e talheres” que promove um forro toda segunda-feira das 22h às 4h da madrugada.

    3 - O restaurante “pratos e talheres” mantêm um caminhão de som durante boa parte do dia e toda a madrugada parado na rua em frente ao restaurante, além de permitir que alguns clientes também utilizem a rua como estacionamento, provavelmente já possuem um acordo com a guarda municipal para não aplicar multas nos veículos.



    Denuncio as barracas de cachorro-quente conhecidas como “fome zero” e “altas horas”, na rua em frente a caixa econômica federal situada na Rua Doutor Alfredo Backer, 536 Loja B - Alcântara, São Gonçalo - RJ, 24452-005, que funcionam clandestinamente durante toda a madrugada, das 20h às 6h da manhã, e diariamente recebem como clientes alguns indivíduos que promovem verdadeiros bailes funks na rua, com carros de som tocando funk em com volume extremamente alto.

    ResponderExcluir
  15. Estive hoje em uma audiencia de conciliação,onde finalmente o autor compareceu.Foi feito um documento que ele não mais me importunaria com o seu som alto.Caso ele venha a insistir,o conciliador orientou a desarquivar o processo e dar andamento ao processo.No caso de acionamento da policia militar e não ser atendido,comunicar a corregedoria.Pelo menos comigo parece estar funcionando.Sou de São Gonçalo.Realmente foi uma luta,juntamos muitos protocolos de chamados do 190 e não fomos atendidos em nenhum.Tivemos que solicitar a uma viatura que passava no local,q pegou os dados do individuo e seguimos ainda na madrugada registrar ocorrência na Delegacia.Há um desgaste,mas se não for desta forma não se consegue.

    ResponderExcluir

Comente a vontade
Se você gostou deste artigo deixe um comentário!

Duvidas ou sugestões comentem aqui! =D
*Não pedir parceria por comentários
*Não publicar spam ou similar.